bloco do player

Subscribe Us

Moradora de Belford Roxo lidera grupo que apoia e doa medicamentos a pacientes com endometriose.

 Há 11 anos a gestora de contratos Nidia Meirelles, de 40 anos, ficou “entre a vida e a morte”, como ela mesma define, e em seguida recebeu o diagnóstico de endometriose. Desde então, ela dedica parte do seu tempo a conscientizar e informar mulheres sobre a doença.

— Depois que saí de uma cirurgia, descobri que tinha endometriose. Fui procurar saber sobre a doença e vi que tinha muita informação em blogs, mas me faltava ainda muitos esclarecimentos e comecei a ler até pesquisa médica — diz.

Nidia esteve aqui no studio da rádio a voz do povo, em um bate papo com nosso jornalista Marcio Carvalho, e ja está convidada para participar da tenda da rádio a voz do povo, prevista para o mês de maio.


Assim, o projeto “A vida como ela é com endometriose” surgiu como um grupo de apoio no Facebook em outubro de 2011. A comunidade conta hoje com 20 mil membros na rede social. O projeto tem como objetivo a doação de medicamentos para o tratamento da doença a mulheres que não podem arcar com os custos. Além disso, Nidia também faz palestras para informar sobre a doença.



— Comecei essa coisa de coletar remédio e consegui uma grande lista de amigos médicos que me fazem essas doações. Aqui em Belford Roxo já foram 5.700 mulheres ajudadas. Quando a gente faz a doação de remédio, a gente explica que é só enquanto ela não puder arcar. Somos um grupo de apoio, toda portadora continua precisando de ajuda, às vezes de uma dica, elas sempre me procuram — afirma Nidia.


O projeto tem apoio da prefeitura, dessa forma, Nidia auxilia as mulheres com diagnóstico de endometriose fazendo a ponte para a equipe multidisciplinar da clínica da mulher da cidade.



— A informação sobre a doença é terrível. Ainda é pouco falado sobre isso. As pessoas não compreendem, porque, para elas, uma cólica que incapacita é normal. Não é. É uma doença perigosa e complexa, que pouco se sabe sobre ela. A gente precisa fazer todo tipo de divulgação e levar o conhecimento para todas as pessoas — diz a coordenadora do projeto.


O grupo é formado por apenas quatro pessoas: Nidia, o marido, e duas voluntárias, que se dividem entre o atendimento às portadoras de endometriose no Whatsapp e no grupo do Facebook e no marketing do projeto. O próximo passo de Nidia é tentar aumentar a rede de auxílio e buscar parcerias para sustentar o “A vida como ela é com endometriose” com doações.


— Eu decidi que queria aumentar ainda mais o processo de acolhimento das portadoras depois da morte de uma acolhida ano passado. De lá pra cá as coisas intensificaram porque comecei a querer fazer algo maior e temos conseguido — explica.

Além de medicamentos, Nidia também recolhe alimentos para doação. Os vizinhos dela que contribuem.

— A doação de alimento já é contínua, porque as pessoas que moram próximo a mim sabem que a gente faz esse tipo de doação, sempre chega alimento de algum vizinho. A gente está buscando parceria de algumas empresas — diz.

Tentando se especializar ainda mais para se dedicar cada vez ao projeto, Nidia está cursando a faculdade de serviço social e pretende poder se dedicar integralmente ao grupo em breve.

Redação: Radio e Jornal A Voz do Povo.
sua força online.
Curtam a nossa página no facebook.
Sigam nosso canal no You Tube

Direção: Jornalista Marcio Carvalho.

Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Polícia prende dois homens com celulares roubados em Belford Roxo.