bloco do player

Subscribe Us

Reajuste da bandeira vermelha revolta a população, confiram.

 Tarifa da bandeira vermelha 2 terá reajuste de 52%, para R$ 9,49 por 100 kWh.


Em plena pandemia a população relata um absurdo o aumento, veja relado da Senhora Joice Ferreira abaixo:

" É revoltante a gente trabalha o mês inteiro já paga uma conta de luz cara fora que tudo aumentou, é gás é combustível e alimento, que governo maldito é esse que não tem a competência de nos socorrer neste momento difícil? ou comemos ou pagamos luz"



A explicação para a alta é o aumento do custo de geração de energia no país, por causa da crise hídrica

Natália Flach, do CNN Brasil Business, em São Paulo

29 de junho de 2021 às 11:31 | Atualizado 29 de junho de 2021 às 16:40

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta terça-feira (29) que o valor da tarifa da bandeira vermelha 2 será reajustado em 52%, para R$ 9,49 pelo consumo de 100 kWh. O preço até então era de R$ 6,243.


A tarifa da bandeira vermelha 2, que está em vigor no país, é a mais cara. A explicação para a alta é o aumento do custo de geração de energia no país, por causa da crise hídrica. De acordo com o governo, o Brasil enfrenta a pior estiagem dos últimos 91 anos, o que levou ao maior acionamento de termelétricas (que geram mais custos do que as hidrelétricas).


O novo valor da bandeira vermelha 2 entra em vigor em julho e permanecerá ao menos até novembro. "Isso dá sinal de preço condizente com a escassez [hídrica] em que se vive", disse André Pepitone, presidente da Aneel, durante a reunião do colegiado. "Podemos usar analogia com o que pode acontecer com qualquer produto que depende do clima. Quando acontece um problema no clima, o valor de um alimento aumenta no Ceasa [o mesmo acontece com energia]."


Em pronunciamento, ministro pede uso racional de água e energia

'É muito provável' que MP da Eletrobras encareça energia, diz economista da LCA

Os diretores da Aneel também aprovaram uma nova consulta pública para definir se haverá um reajuste adicional, dado o cenário excepcional da crise hídrica. Isso porque poderá haver um déficit ainda maior na conta bandeira nesse momento mais seco. 


Até o momento, o déficit está em R$ 1,5 bilhão. "No pior dos cenários, pode haver uma elevação para R$ 5 bilhões", disse Pepitone.


O governo editou uma Medida Provisória (MP) na segunda-feira (28) criando a câmara de regras excepcionais para gestão hidroenergética. Na prática, o Ministério de Minas e Energia ganha poder e autonomia para decidir o que for preciso para controlar os impactos da falta de água no país e evitar interrupções no fornecimento de energia. 


Fonte: Cnn Brasil.


Redação: Radio e Jornal A Voz do Povo.

sua força online.
Curtam a nossa página no facebook.
Sigam nosso canal no You Tube

Direção: Jornalista Marcio Carvalho. 

Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Polícia prende dois homens com celulares roubados em Belford Roxo.